NITERÓI/RJ
Min:   Max:
Educação e Novas Tecnologias

Suzana Fernandes é graduada em pedagogia pela Uerj e em música pela UFRJ. Especializada em educação à distância e em planejamento, implementação e avaliação pela PUC-MG. Professora de música e de ensino religioso da rede municipal do Rio de Janeiro e palestrante internacional sobre o tema e-learning. E-mails para esta coluna: [email protected]

Programa do MEC auxilia estudantes na escolha da profissão

Converse com os professores sobre dificuldades e habilidades do seu filho

Divulgação

"Educação em Prática" é o programa do Ministério da Educação (MEC) que incentiva as instituições de educação superior, públicas e privadas a abrir seus espaços para estudantes dos anos finais do ensino fundamental e médio vivenciarem as profissões. Uma opção importante que vai dar mais propriedade aos jovens de escolher suas carreiras além de fortalecer o vínculo com os estudos.

A finalidade do programa é estimular a continuidade dos estudos, diminuindo a evasão escolar. A ideia é também inserir os jovens em um ambiente universitário para potencializar suas aptidões e habilidades, evitando, por exemplo, a escolha futura de algum curso de graduação ou técnico profissional que depois não queiram concluir.

Para participar, a escola deve entrar em contato com o MEC para aderir ao programa. As secretarias de educação municipais e estaduais, além das instituições de ensino superior, podem procurar a Secretaria de Educação Básica (SEB), no MEC, para manifestar o interesse em participar.

Já as instituições de educação superior devem entrar em contato com o MEC para firmar um acordo de cooperação.

As adesões ao programa já podem ser realizadas a partir deste ano. Em 2020, as ações de implementação se iniciam com a construção da matriz curricular e da metodologia de aplicação de provas de conhecimentos dos estudantes.

As parcerias darão suporte à implementação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que definiu os chamados "itinerários formativos": uma formação em que o estudante pode escolher a área de conhecimento ou formação técnica a partir de suas preferências.

Aos pais e responsáveis

Lembre-se sempre que educar dá trabalho e é um esforço contínuo, portanto não esmoreça nem delegue, se comprometa, é a vida do seu filho e o futuro dele que estão em jogo. A tarefa não é fácil, para ajudar, aqui vão algumas dicas.

* Estimule o hábito da leitura em sua casa lendo, adquirindo livros, conversando sobre o conteúdo.

* Ajude seu filho a conservar o livro didático e o paradidático.

* Acompanhe a frequência da criança ou do adolescente às aulas.

* Procure saber sobre o projeto escolar e as atividades. Crie ou se insira no grupo de pais da turma. Em geral possuem WhatsApp.

* Visite a escola de seus filhos sempre que puder e nem sempre avise.

* Observe se as crianças ou adolescentes estão felizes e cuidadas, e, ainda, se o seu filho tem prazer ao entrar para a instituição ou não.

* Verifique a limpeza e a conservação das salas e demais dependências da escola.

* Observe a qualidade da merenda escolar.

* Converse com outras mães, pais ou responsáveis sobre o que vocês observam na escola. Mantenha sempre contato.

* Converse com os professores sobre dificuldades e habilidades do seu filho, ouvindo o que ele faz de errado e precisa melhorar. Não há nada pior para o professor do que o pai que diz que o filho é um anjo mas ele não se comporta de tal forma.

* Peça orientação aos professores e diretores, caso perceba alguma dificuldade no desempenho de seu filho.

* Leia bilhetes e acompanhe as lições de casa.

Construindo uma convivência feliz

Autora se propõe a aprimorar a interação entre pais e filhos

Autora se propõe a aprimorar a interação entre pais e filhos

Reprodução

Buscando aprimorar a interação entre pais e filhos, Betty Monteiro aborda no livro "Criando filhos em tempos difíceis: atitudes e brincadeiras para uma infância feliz" (Grupo Summus) os benefícios do brincar e explica as brincadeiras preferidas pelas crianças em cada fase do desenvolvimento. Fala ainda sobre a "criança difícil" - a que não come, a medrosa, a do contra, etc. - e dá dicas para lidar com conflitos. Em linguagem simples e fluida, a autora nos convida a voltar à infância e a aproveitar melhor o tempo com os pequenos.

Scroll To Top