NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Iniciativas para aproximar todas as gerações da leitura

Estado e prefeituras trabalham por uma Bienal do Livro com mais alunos

Não faltam atrações para todas as idades até 8 de setembro na Bienal

Douglas Macedo

A Bienal do Livro já recebeu milhares de estudantes nos primeiros dias de evento, no Riocentro. Com o intuito de manter uma aproximação entre os alunos e os livros, grandes projetos estão fazendo parte desta Feira do Livro, que visa atrair a atenção do público de todos os gostos e idades. O festival que se sucede durante dez dias, vai até 8 de setembro.

A Secretaria de Estado de Educação oferece oportunidades todos os anos para que os alunos da rede pública desfrutem do evento sem custo. Trouxe ainda a felicidade dos jovens nesta edição. A iniciativa, que já havia acontecido em alguns anos atrás, era que os alunos pudessem ir à Bienal e gastar um valor simbólico de R$ 11, ou até mesmo ganharem um livro na saída. Em 2019, 40 mil estudantes poderão usufruir de um cartão concedido no valor de R$ 50, podendo ser gastos em livros de sua preferência.

"Estou muito feliz em participar desse evento, após assumirmos o Estado e a Secretaria nesta crise. Estamos batendo recordes neste ano, mesmo com a realidade que vivem os orçamentos. Alugamos mil ônibus, e ainda assim ficamos preocupados se seria suficiente. É muito gratificante chegar aqui e encontrar os alunos, poder ouvir que eles poderão comprar os livros e dar essa autonomia para que comprem o que quiserem. Este é o estimulo que precisamos para toda a nossa rede", conta o secretário estadual de Educação Pedro Fernandes.

Com pavilhões tratando sobre diversos temas e abrangendo amplos interesses, a Bienal chama a atenção nesta edição para um tema da atualidade. "O programa Mais Leitura veio este ano em convite do Rio Solidário, que é uma obra social onde tem tanto significado para a população, pois trabalha uma série de questões. A imprensa oficial subsidia esse projeto, e a gente vem com tudo, sempre. É a nossa 4ª Bienal, e viemos sempre para democratizar a leitura e trazer para as pessoas livros de qualidade por preços acessíveis. A Bienal é totalmente heterogênea, que é o mais bacana, e nós viemos justamente para ratificar isso. Nosso slogan diz que em cada livro encontramos mais do que uma história, uma cidadania", disse Vanessa Geraldo, coordenadora do programa Mais Leitura.

Os alunos ficaram radiantes com as possibilidades que foram oferecidas. Em Niterói, 2800 alunos estão cadastrados para a Feira da literatura. Estandes dedicados aos aprendizes oferecem vasta programação não só aos seus, mas a todo o público.

"Nossa programação conta com a participação de professores, poetas, artistas da cidade e autores cujos livros já foram ou estão sendo publicados. O intuito era um cronograma democrático que pudéssemos atender a todos", comenta a coordenadora de leitura de Niterói, Liliane Balonecker. Neste ano, a Prefeitura do Rio preparou um espaço muito especial para receber os alunos, professores, funcionários da Secretaria Municipal de Educação (SME) e o público em geral. Cerca de 110 mil alunos da capital estão sendo esperados.

Scroll To Top