NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Vítima de bala perdida morre no hospital

Funcionário de loja foi atingido durante confronto entre PMs e assaltantes próximo a shopping no Centro de Niterói

Familiares do funcionário atingido por bala perdida estiveram neste sábado no IML do Barreto para liberar o corpo

Alex Ramos

"Estamos arrasados! É revoltante isso acontecer", diz Neuza Ines, tia de Thiago Conceição Marins, de 31 anos, após reconhecer o corpo do sobrinho no Instituto Médico Legal (IML) do Barreto, na tarde deste sábado (31). "Ele estava trabalhando, e agora deixa três filhos e esposa. A mãe dele está inconsolável e não a deixamos vir", completou a tia.

O vendedor faleceu na manhã deste sábado após ser atingido nas costas por uma bala perdida num confronto entre policiais e bandidos no Centro de Niterói, perto do Plaza Shopping, onde ele trabalhava, na noite de sexta-feira (30). Thiago foi internado no Hospital Estadual Azevedo Lima, no Fonseca, chegou a passar por uma cirurgia, mas acabou não resistindo.

A esposa, Keny Haloma Espindola, e o irmão da vítima, muito abalados, não quiseram se pronunciar. Nas redes sociais, Keny trocou sua foto de perfil por uma imagem do casal junto.

O caso aconteceu na Avenida Bagder da Silveira, esquina com a Rua Andrade Neves, quando dois bandidos tentaram roubar uma moto, mas foram surpreendidos por agentes do Niterói Presente, que estavam no local.

Houve uma troca de tiros e, ao todo, quatro pessoas foram baleadas durante o tiroteio: dois pedestres, incluindo Thiago, e dois acusados do crime, sendo que um deles morreu no local.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, Irene Gagliano, de 63 anos, foi atingida na perna por uma bala perdida, atendida por médicos e recebeu alta. Um dos acusados, que também foi baleado, recebeu atendimento e depois foi encaminhado para a Delegacia de Homicídios (DH) de Niterói.

A loja Ri Happy Brinquedos, do Plaza Shopping, onde o vendedor trabalhava, lamentou a morte do funcionário. Em nota, o estabelecimento afirmou que prestará suporte à família. 

"Thiago atuava como vendedor e completaria dois anos na empresa em novembro de 2019. Todos do Grupo Ri Happy encontram-se de luto e solidários à dor da família de Thiago. Nesse momento, há uma equipe da empresa prestando todo o suporte psicológico à família da vítima e tomando as devidas providências para o enterro", diz a nota.

Scroll To Top