Secretaria de Saúde do Rio recomenda não abrir hospitais de campanha atrasados

hospital de campanha - Foto: Rogerio Santana/Divulgação

Cidades
Tpografia
  • Mínimo Pequeno Médio Grande Gigante
  • Fonte Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

Um estudo feito pela equipe técnica da Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro recomenda que os cinco hospitais de campanha que não foram entregues não sejam abertos. O prazo inicial para a inauguração das unidades era dia 30 de abril.

De acordo com o estudo, a taxa de ocupação nos leitos das três esferas de governo no Rio está com um terço em uso. O relatório mostra que a ocupação na rede estadual é de 59,9% para UTI para adultos e 56,7% para enfermaria de adultos em casos específicos de covid-19.

Para a equipe, no caso de uma segunda onda da doença após as medidas de flexibilização do isolamento social, o governo do Rio poderá ofertar assistência à população com a ativação dos leitos que ora se encontram impedidos.

O estudo também aponta o custo mensal altos dos leitos. A análise mostra que o custo por leito de UTI no hospital de apoio é de R$ 43.780,82 e o de enfermaria é de R$ 33.951,45.

Dos sete hospitais de campanha prometidos pelo Governo do Estado do Rio, apenas duas foram entregues: as unidades do Maracanã e de São Gonçalo.

Ainda faltam ser entregues as unidades em Nova Iguaçu, Duque de Caxias, Nova Friburgo, Campos dos Goytacazes e Casemiro de Abreu.

Quando o secretário de Saúde do Rio - que pediu demissão nesta segunda-feira (22) - assumiu o cargo, ele já havia adiantado que alguns hospitais de campanha poderiam não ser inaugurados, pois os atrasos nas conclusões das obras poderiam tornar as unidades desnecessárias no combate à covid-19 no estado.