NITERÓI/RJ
Min:   Max:

O perigo que mora em casa

Por professor Aderbal Sabrá e professora Selma Sabrá, especial para O FLUMINENSE

Acidentes domésticos podem ser evitados com medidas simples

Agência Brasil

Os acidentes domésticos são mais frequentes do que se imagina, representando um importante problema de saúde pública. Na maioria das vezes, estes acidentes podem ser evitados, desde que algumas medidas simples sejam tomadas.

Segundo a OMS, um acidente pode ser definido como “um acontecimento fortuito, geralmente danoso ou ainda como um acontecimento independente da vontade humana provocado por uma força exterior que atua rapidamente e que se manifesta por um dano corporal ou mental”.

As crianças são as principais vítimas, mas os adultos e principalmente os idosos e muitas vezes algumas pessoas com algum comprometimento da saúde, seja neurológico, psiquiátrico ou por qualquer outra limitação também representam maior risco de sofrerem acidentes domésticos. Os acidentes mais comuns são choques elétricos, queimaduras, afogamentos, quedas, traumas abdominais, cortes, envenenamentos e intoxicações.

Segundo dados do Ministério da Saúde, são registradas, a cada ano, cerca de seis mil mortes e mais de 140 mil internações de crianças com idade entre 0 e 14 anos. A Organização Mundial de Saúde revela que mais de 50 milhões de crianças no mundo ficam com sequelas e 800 mil morrem vítimas de traumas provocados por acidentes.

A principal causa de mortes por acidentes em crianças menores de um ano é a sufocação, chegando a representar cerca de 70% dos óbitos. O envenenamento ainda apresenta um número expressivo de ocorrências em todo o mundo.

Nos Estados Unidos as pessoas costumam utilizar materiais de proteção para realizar reparos domésticos, como usar óculos, máscara e luvas, durante o uso da furadeira, ou de qualquer outro material utilizado para fazer alguma reparação caseira, o que não ocorre no Brasil. Muitos destes acidentes poderiam ser evitados, uma vez que a maioria ocorre por distração.

Idosos – Os idosos costumam apresentar quedas em casa, portanto a casa deve estar preparada para evitar os tombos, retirando tapetes, usar uma iluminação adequada e cuidado redobrado no banheiro, para evitar queda durante o banho. O uso exagerado de bebida alcoólica gera acidentes como quedas e consequentes fraturas graves como a do fêmur, principalmente ao levantar-se à noite para ir ao banheiro.

As pessoas que já apresentam algum comprometimento em um dos olhos, merecem atenção redobrada e muitas vezes, os olhos também podem sofrer algum tipo de lesão durante a queda.

As quedas nos idosos ocorrem frequentemente durante as atividades rotineiras, como subir ou descer da cama ou mesmo sentar-se a uma cadeira. Camas muito altas, muito baixas, ou muito moles podem facilitar as quedas, devendo ter uma adequação para evitar este tipo de queda.

Tipos mais comuns de acidentes

Choque elétrico

Os choques elétricos podem ser fatais, provocados pela descarga elétrica, muitas vezes provocado por fios elétricos, muitas vezes desencapados, equipamentos eletrônicos e até tomadas. Algumas vezes o choque pode provocar dor, sensação de formigamento e choro provocado pelo susto e pela dor.

Por isso é importante usar protetores de tomada e não permitir que crianças brinquem perto de fios elétricos ou equipamentos eletrônicos e isolar as tomadas com os protetores para evitar que a criança coloque o dedo na tomada.

Soltar pipa no quintal de casa ou na rua em que mora perto de fios elétricos geram um risco grande de choque elétrico.As tomadas elétricas atuais, com seu novo modelo, esperam sanar este problema.

Queimaduras

Na maioria das vezes as queimaduras ocorrem pela exposição a alimentos muito quentes, por correntes elétricas, produtos químicos e muitas vezes pela água muito quente e não testada previamente pela mãe, na hora do banho. Mais raramente a exposição direta ao fogo em brincadeiras mais ousadas.

A cozinha não deixa de ser uma preocupação, merecendo atenção redobrada, uma vez que a curiosidade das crianças pode provocar queimadura nas palmas das mãos, oriundas do manuseio do ferro de passar roupa, na tentativa de mexer na tampa do forno do fogão, ou nas tampas e nos cabos das panelas quentes.

Devemos sempre colocar os cabos das panelas para o lado de dentro do fogão, usar de preferência as bocas de trás do fogão, testar a temperatura da agua antes do banho, não deixar ferro de passar roupa ao alcance de crianças, e colocar isolamento da cozinha, pois muitas crianças pequenas pela curiosidade e desconhecimento do perigo, estão mais sujeitas a estes tipos de acidentes.

Envenenamento e intoxicação

Nas casas existem vários produtos químicos que podem causar vários danos à saúde, sendo potencialmente toxicas para as crianças, adultos e animais domésticos.

Em casos de acidentes com materiais de limpeza, medicamentos e outros produtos tóxicos, é importante ligar para o centro de informação toxicológica ou o centro de controle de intoxicações mais próximo para receber as orientações necessárias, de acordo com cada caso.

Os remédios e os produtos de limpeza devem ser mantidos, sempre, em lugares bem altos, de tal forma que fique longe do alcance das crianças. Não se pode confiar em guardá-los dentro de locais como armários, estantes ou criado-mudo, uma vez que as crianças são bastante curiosas e acabam abrindo os armários e gavetas, colocando assim sua vida em risco.

Muitas vezes os produtos tóxicos são armazenados em vasilhames de refrigerantes, ou em garrafas ou vasilhames coloridos, tornando-os atraentes para as crianças, o que aumenta muito sua potencialidade fatal.

As plantas toxicas como o “comigo ninguém pode”, mamona, pinhão paraguaio, ou coroa de cristo são plantas que deveriam estar em locais fora do alcance das crianças.

Inalação de gás

De um modo geral os botões do fogão são muito atraentes para as crianças e querer mexer nestes botões torna-se uma atividade bastante tentadora. Isso pode gerar um vazamento de gás que pode passar despercebido, gerando consequências desastrosas. Melhor evitar esse risco, mantendo sempre o registro do gás fechado nos períodos em que não estiver em uso. Caso o gás não seja encanado, o botijão deve ser instalado numa área externa.

Afogamento

As casas com piscina apresentam um risco grande de afogamento, uma vez que as crianças menores não entendem o risco que correm, ao brincarem desacompanhadas próximas a piscina. As crianças na água ou próximas a ela precisam estar sob supervisão direta de um responsável. Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), bastam 5 centímetros de água para um bebê se afogar na banheira, por exemplo.

Não podemos deixar brinquedos dentro ou próximos à água, uma vez que pode servir de atrativo para as crianças. As boias não são equipamentos de segurança e podem facilitar um afogamento; prefira o colete salva-vidas. Nunca deixe uma criança sozinha na banheira.

Cortes

Os utensílios afiados,tipo facas e aparelhos cortantes,como laminas de barbear ,tesouras devem estar fora do alcance das crianças pelo risco de causar cortes.

Scroll To Top