Consumidores lotam Mercado de São Pedro

Cidades
Tpografia
  • Mínimo Pequeno Médio Grande Gigante
  • Fonte Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

Consumidores lotam o Mercado São Pedro em busca de peixe para a Sexta-feira Santa

Foto: Colaboração / Vanessa Lima

Os consumidores que deixaram a compra do pescado para a última hora enfrentaram filas e muita movimentação no Mercado São Pedro, no Centro. Na manhã de ontem, Sexta-Feira Santa, a busca pelo pescado começou cedo e provocou congestionamento na Avenida Feliciano Sodré, via de acesso ao mercado. 
Segundo comerciantes, a demanda de venda é superior ao volume de pescado disponível em estoque, portanto, o peixe deve acabar antes do Domingo de Páscoa. Para manter o ritmo de vendas e atrair o freguês, os estabelecimentos estão oferecendo descontos para o consumidor que realizar o pagamento em dinheiro. 

Preço mantido - Para garantir o peixe fresco para o tradicional almoço em família, os consumidores fizeram fila e pechincharam descontos. Na opinião de alguns compradores, os preços permanecem na mesma média da Semana Santa do ano passado. No entanto, a estratégia para obter descontos é o pagamento à vista. Em alguns estandes, os comerciantes cobravam R$ 28 no quilo do camarão cinza para a aquisição em dinheiro e R$ 33 para pagamento em débito e crédito, o que corresponde a um acréscimo de 17%.
“O consumidor tem que vir pronto para saber que precisa pechinchar, senão o valor da compra vai exceder a média. Quando vi a diferença de valor para pagamento em dinheiro e cartão, tive que procurar um caixa eletrônico fazer saque e garantir o desconto. É preciso avaliar esses fatores para não se enganar e sair sem vantagem no preço final,” disse a professora Ana Luiza Rodrigues, 48 anos.

Variedades - A manutenção dos preços dos peixes nos patamares do ano passado fez, segundo os comerciantes, com que alguns fregueses optassem pela compra de variedades não muito populares.
“O filé de salmão está alcançando recorde de vendas, assim como a tilápia. São peixes saborosos que o consumidor não se arrepende de pagar um valor mais alto. Hoje, o salmão custa em média R$ 50 o quilo, e a tilápia não ultrapassa essa margem de preço. Por isso, tem consumidor que prefere investir no quilo do pescado mais caro e incrementar a receita com camarão, que também está com ótimo preço,” disse o vendedor Alessandro Alves, 31 anos.

Trânsito - Para auxiliar os motoristas, agentes da NitTrans atuaram nos acessos ao Mercado de Peixe e guardas-municipais também se posicionaram nas vias do entorno. Neste sábado, o local funciona das 6h às 14h e, no domingo, das 6h às 13h.