Medalhas de lata nas Olimpíadas de Tóquio

Cidades
Tpografia
  • Mínimo Pequeno Médio Grande Gigante
  • Fonte Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

E as polêmicas acerca das Olimpíadas de Tóquio, no Japão, continuam dando o que falar. Após polêmicas com a logo escolhido para os Jogos Olímpicos de 2020 e com o alto valor do primeiro projeto do Estádio Olímpico, há a possibilidade das Olimpíadas de Tóquio terem medalhas feitas de materiais recicláveis pela primeira vez na história. 

A ideia é liderada por Hiroshi Komiyama, presidente da força-tarefa que planeja caracterizar o evento como sustentável e ecologicamente correto.

Produtos como celulares antigos, computadores e outros objetos poderão ser reciclados e transformados em medalhas para os Jogos. 

A ideia de reaproveitar metais preciosos será discutida em reunião do Comitê Organizador local ainda em janeiro, quando a proposta será formalizada.

Mesmo a quatro anos de seu início, os Jogos Olímpicos de Tóquio vêm chamando a atenção da mídia internacional nos últimos tempos. E não é de maneira positiva. Isso porque eles são acusados de plágio por conta da identidade visual escolhida para o evento. 

De acordo com a imprensa, a logo era muito semelhante ao do Teatro de Liège, localizado na Bélgica e criado pelo designer Olivier Debie.

Já a arquiteta Zaha Hadid teve seu projeto descartado após os altos custos para a construção do Estádio Olímpico. 

O preço de 2 bilhões de dólares assustou os organizadores do evento, que escolheram um novo arquiteto, Kengo Kuma, para desenvolver as novas instalações.