Carta aos Romanos

Cidades
Tpografia
  • Mínimo Pequeno Médio Grande Gigante
  • Fonte Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

Foi durante o Inverno de 55-56, em Corinto, que Paulo escreveu aos Romanos, provavelmente, sua última carta. 

Ele havia terminado a evangelização da parte oriental do Império Romano. As comunidades cristãs fundadas nas cidades grandes se encarregariam de irradiar o Evangelho para as províncias. Assim, ele poderia, finalmente, visitar os cristãos de Roma e, de lá, seguir até a Espanha, o limite ocidental do império.

Antes, porém, quis entregar aos cristãos de Jerusalém a coleta de solidariedade que havia organizado. Só não sabia se seria bem recebido em Jerusalém: lá o contestavam por não exigir dos gentios a aceitação dos preceitos da Lei judaica. 

Daí, que a maior parte da Carta seja escrita em forma de diálogo com um judeu: são as dúvidas dos cristãos de Jerusalém, que ele responde, dúvidas que eram conhecidas dos cristãos de Roma. O conflito entre judeus e cristãos já havia levado o imperador Cláudio a expulsá-los da capital, em 49, alguns anos antes.

Aos que ficaram, foi preciso separar-se da sinagoga sem o apoio de nenhuma estrutura eclesial organizada. Não é de admirar que muitos tenham buscado apoio em práticas judaicas centenárias. Os cristãos estavam divididos. Paulo precisava levá-los à unidade.

Nada foi fácil naqueles inícios!

Acusado de destruir a identidade constitutiva de povo eleito de Israel, Paulo se defendeu, dizendo que Cristo era o ponto de chegada da Revelação na primeira Aliança. Só quando pagãos e judeus aderissem a Cristo é que se cumpririam plenamente as promessas feitas a Abraão. 

Por isso, era indispensável a unidade dos cristãos, vivenciada na aceitação da diversidade de cada um. 

Tudo o que hoje sabemos, eles já sabiam!

Paulo, provavelmente, desapareceu num naufágio, no Mediterrâneo. Mas isso eu conto, na semana que vem.