Setembro Amarelo: dia de reflexão na UFF

Cidades
Tpografia
  • Mínimo Pequeno Médio Grande Gigante
  • Fonte Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

A Universidade Federal Fluminense (UFF), por meio da campanha “UFF Pela Vida”, promoveu um dia de atividades, entre seminários e palestras gratuitos ao público, durante o Simpósio “Precisamos falar sobre suicídio; Viver é a melhor opção”, realizado no período das 8h às 18h desta quinta-feira, no auditório do Bloco F, da faculdade de Economia, no bairro Gragoatá, na Zona Sul de Niterói.

Com o objetivo de sensibilizar a população e proporcionar ações para reconhecimento de sinais de risco - médicos psiquiatras, psicólogos e professores se revezaram, no decorrer dos oito debates, voltados ao tema, promovidos pela Divisão de Promoção e Vigilância em Saúde (DPVS), em parceria com outros órgãos sociais.

Dados do Sistema de Informações de Mortalidade (SIM) mostram que a taxa de suicídio, no município de Niterói, ocupa a segunda posição, em todo o Estado do Rio. Em 2016, foram 26 casos, contra 22, no ano anterior.

Segundo o médico e psicólogo Diego Nogueira, atuante na DPVS, relatos como esse mostram que ações urgentes são necessárias, para conter o crescimento progressivo do número de casos na cidade, que não possui a segunda maior população do Estado.  

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que o suicídio é a terceira causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos. 

“Também percebe-se maior risco entre homens e pessoas de etnia branca. Além disso, geralmente há histórico de depressão. Mas existem muitos outros fatores que aumentam o risco. Não dá para considerar apenas um fator isoladamente”, ressalta a médica e psicóloga Carolinne Amorim.

A campanha Setembro Amarelo, idealizada pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), ocorre há quatro anos em todo o país e visa a conscientização sobre a importância do assunto.