Glórias nas ondas de Itacoatiara

Esportes
Tpografia
  • Mínimo Pequeno Médio Grande Gigante
  • Fonte Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

A cearense Isabela Sousa conquistou a edição feminina do Itacoatiara Pro no último domingo. Atleta busca agora a conquista do tetra mundial de bodyboard

Foto: Tony D´Andrea / Uma Rosa Filmes



Se tornar a primeira atleta brasileira a conquistar o título do Itacoatiara Pro e mostrar a força do bodyboard feminino para o mundo. Foi assim, que, utilizando-se de técnica e arrojo na busca pelas ondas, a cearense Isabela Sousa, tricampeã mundial da modalidade, marcou seu nome na etapa niteroiense.

Cursando publicidade e conciliando a rotina de estudos com os treinos, Isabela contou que chegou um mês antes à praia niteroiense para se preparar e buscar o título. 

“Minha rotina em casa é bem puxada, pois eu faço faculdade de publicidade e propaganda e fico me deslocando da universidade para o treino, de manhã e à tarde. E tem treinos na parte da noite em alguns dias. Para esta etapa de Itacoatiara, eu fui um mês para o local e fiquei surfando três horas por dia e realizando um treino físico, funcional, além de um específico por dois dias. Aos sábados e domingos, eu ficava o dia inteiro surfando”, disse.

A bodyboarder nordestina ainda destacou a importância de Itacoatiara receber uma etapa do Mundial e revela um gosto especial por iniciar o circuito no Brasil.

“Acho que é superimportante começar o ano no Brasil, para a gente que é daqui. Começando o ano em casa, você tem uma energia a mais e a torcida a seu favor. Itacoatiara mostrou muito isso.Com certeza, isso me ajudou bastante. Acho que os brasileiros têm pontos a mais com a torcida do seu lado, o que nos dá ainda mais vontade de vencer. Por isso, muitas brasileiras vão vencer porque essa energia da galera na praia contagia, e você tem uma força a mais do que as atletas estrangeiras”, declarou, completando.

“O campeonato foi dez estrelas e um evento falado no mundo inteiro, bem organizado, em um lugar lindo, com ondas boas para o bodyboard. Acho que o campeonato na primeira edição e na segunda edição na organização e ver a evolução do campeonato, ainda mais com o Pro Junior e o feminino, deu um brilho a mais à etapa. E um atleta do Brasil vencer é um incentivo a mais para que o feminino seja realizado no próximo ano. Para mim é muito bom começar o ano com o pé direito. Acho que o campeonato é bem especial para todo o mundo, não apenas pela organização, mas também pelo lugar, que é lindo”, declarou. 

Na decisão do campeonato, ela venceu a japonesa Ayaka Suzuki, após ter batido na semifinal a também nipônica Sari Ohhara, com uma das maiores pontuações do torneio.

“Eu estava na final, eu tinha feito um escore muito bom na semifinal, um dos maiores do campeonato. E quando chegou na final, contra a Ayaka, eu não consegui pegar boas ondas e ela ficou liderando a decisão por quase todo o tempo.  Faltando quatro minutos, eu virei a bateria. Mas encontrei uma onda boa e dei meu máximo. Assim fiquei em vantagem e venci o campeonato, declarou.

Isabela finalizou falando dos planos para a próxima etapa do Mundial, que ocorre em Arica, no Chile. 

“Já estou no Chile, que tem uma etapa de onda muito pesada, em Arica, conhecida no mundo inteiro como uma das mais pesadas em fundo de pedra.  Minha ideia neste ano é conseguir o tetracampeonato. Se ele vier será muito bom, mas se não vier, terei a consciência tranquila de que fiz o meu melhor”, concluiu a tricampeã mundial.