Três décadas de uma era vitoriosa

Esportes
Tpografia
  • Mínimo Pequeno Médio Grande Gigante
  • Fonte Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

Em seis temporadas com a McLaren, Ayrton Senna conquistou três mundiais da categoria

Fotos de divulgação
 

O início da temporada 2018 da Fórmula 1 não marca apenas a ausência de um piloto brasileiro no grid de largada depois de 48 anos, fato que não acontecia desde o dia 18 de julho de 1970, estreia de Emerson Fittipaldi na F1, pela Lotus. Mas também, o aniversário de 30 anos do primeiro título de Ayrton Senna pela principal categoria do automobilismo mundial, que aconteceu no dia 30 de outubro de 1988, quando o piloto paulista venceu o GP de Suzuka, no Japão. 

O primeiro título da Fórmula 1 do piloto, que completaria 58 anos no último dia 21 de março, veio em seu ano de estreia na McLaren. Com as cores da equipe inglesa e os propulsores japoneses, o brasileiro ainda ganharia as temporadas de 1990 e 1991. Depois de quatro anos desfilando seu talento nos monopostos da Toleman (1984) e Lotus ( 1985-1987), Ayrton Senna chegava na temporada de 1988 na McLaren, equipe que contava com o francês Alain Prost e que, naquela altura, já possuía dois dos seus quatro títulos mundiais. 

A temporada marcou um monopólio da escuderia inglesa que conquistou nada menos que 15 das 16 corridas daquele ano, e com uma vitória a mais que o seu concorrente e três pontos na soma total, Ayrton Senna chegava pela primeira vez ao topo do mundo. Na disputa, o francês foi o melhor no Brasil, mônaco, México, França, Portugal, Espanha e Austrália. Já Senna, venceu em San Marino, Canadá, EUA, Inglaterra, Alemanha, Hungria, Bélgica e Japão. A única vitória que não ficou com a McLaren naquela temporada foi conquistada pelo austríaco Gerhard Berger, com a Ferrari, na Itália. Com este desempenho, o time da Terra da Rainha conquistou o título de construtores com 199 pontos. Com o desempenho na temporada, apenas os dois pilotos da McLaren chegaram a Suzuka com chances de levantar o caneco. Após levar a melhor sobre o francês e garantir a pole, o brasileiro viu suas chances diminuírem depois de ficar parado no grid no momento da largada, indo desta forma para a 14ª posição e necessitando realizar uma corrida de recuperação. Com este panorama, Alain Prost assumiu a ponta, mas viu uma atuação surpreendente do seu mais novo rival. Senna precisou de apenas 7 voltas para voltar à liderança, seguiu com bom desempenho e cruzou a linha de chegada 13 segundos na frente do seu companheiro de equipe. 

Com o feito, mais do que se tornar o terceiro brasileiro a conquista um título na Fórmula 1, se juntando a Emerson Fittipaldi e Nelson Piquet, Senna dava início a uma carreira ímpar dentro do esporte e voltaria a conquistar mais duas vezes o mundial da categoria, em 1990 e 1991. Depois deste triunfo, nenhum outro brasileiro conquistou a principal categoria do automobilismo.

Ayrton Senna ficou seis temporadas com a McLaren

Fotos de divulgação

Aposentadoria de Massa marcou fim de uma época

A temporada de 2017 marcou o fim de uma era de quase 50 anos na Fórmula 1. Em 2018, será a primeira vez desde 1970 em que a principal categoria do automobilismo não contará com a presença de pilotos brasileiros.

Felipe Massa foi o último a representar o país, após anunciar sua aposentadoria da F1 no ano passado. O piloto se despediu da categoria depois de 269 Grandes Prêmios disputados e 11 vitórias conquistadas ao longo de 15 anos na modalidade.

A história do Brasil na Fórmula 1 começou na década de 1950, quando o país teve quatro representantes – com destaque para Chico Landi. A era brasileira na elite do automobilismo, no entanto, teve início mais tarde com Emerson Fittipaldi.

Em 1969, ele foi tentar a sorte na Europa e, com vitórias na Fórmula Ford e na F3, foi promovido à F2 no ano seguinte, na qual disputou três das quatro primeiras etapas do campeonato de 1970. Seu bom desempenho lhe rendeu sua estreia na elite automobilística no GP da Inglaterra de F1 naquele mesmo ano.

A temporada inaugural de Fittipaldi abriu as portas para outros brasileiros. Até a estreia de Ayrton Senna, em 1984, onze pilotos do país já haviam passado pela categoria. E este número só aumentaria nos anos seguintes.

Até os dias de hoje, 31 brasileiros disputaram a F1, sendo 27 deles desde Fittipaldi. Foram 48 temporadas ininterruptas com ao menos um piloto brasileiro no grid, marca esta que coloca o Brasil no mesmo patamar de Grã-Bretanha, Itália e Alemanha, principais potências na modalidade.

A última vez que o Brasil subiu ao lugar mais alto do pódio foi há quase nove anos, no GP da Itália de 2009, após uma vitória de Rubens Barrichello. E precisará esperar pelo menos mais um ano para voltar a triunfar.